Peneira para classificação Cevada



A cevada (Hordeum vulgare) é uma gramínea cerealífera e representa a quinta maior colheita e uma das principais fontes de alimento para pessoas e animais. A área cultivada no mundo chega a 530 000 km². O seu período de germinação é de um a três dias. Suas flores são dispostas em espigas, na extremidade do colmo, e os aquénios, amarelados e ovoides.

É uma cultura tipicamente de inverno que não tolera o alagamento, sendo resistente a seca quando comparada ao trigo, mas exigente em relação à fertilidade do solo.

A cevada fornece uma farinha alimentícia e o produto resultante da germinação artificial dos grãos (malte) é utilizado na fabricação da cerveja e de outros produtos. Os grãos torrados e moídos são usados na fabricação de uma bebida sem cafeína de aspecto semelhante ao do café. A cevada é ainda empregada em alimentação animal como forragem verde e na fabricação de ração.

No Brasil, a malteação é o principal uso econômico da cevada, já que o país produz apenas 30% da demanda da indústria cervejeira.

Agricultores apostam no plantio de cevada durante inverno gaúcho

O clima propício e a disponibilidade de terras fizeram com que o cultivo da cevada registrasse crescimento expressivo, nesta safra, nos Campos de Cima da Serra. Conforme a Ambev, que incentiva o plantio do cereal no Estado, a ampliação da área plantada na região deve chegar a 60%, totalizando 12 mil hectares em municípios como Vacaria, Esmeralda, Muitos Capões e Lagoa Vermelha. O índice ajudou a impulsionar o crescimento da cevada no Estado, que este ano deve ter uma área de 30% a 35% maior que a do ano passado.

“É uma região em que a tecnologia do produtor, somada ao clima propício, torna a situação ideal para cultivos de inverno”, afirma o especialista regional agronômico da Ambev, Caio Batista. Além disso, nos últimos três anos, apesar de instabilidades climáticas, a produtividade se manteve estável, com resultados acima da média das demais regiões. “Isso explica um pouco a preferência do produtor por seguir investindo na cultura”, acrescenta Batista.


O aumento da área plantada vai ao encontro da intenção da Ambev de reduzir a utilização de matéria-prima importada para a fabricação de cerveja. Na última safra, a produção de 160 mil toneladas supriu cerca de 60% da demanda da indústria no Estado. A ideia da Ambev é fazer com que este índice alcance 100% num período de três a cinco anos.

Segundo o agrônomo João Villa, assistente técnico em sistemas de produção vegetal da Emater Regional de Caxias do Sul, a região dos Campos de Cima da Serra conta com o melhor clima do Estado para a produção de cevada, já que é menos propícia a doenças fúngicas. “O plantio ocorre mais tarde para fugir da geada, e geralmente o florescimento vem após o período mais chuvoso (setembro e início de outubro)”, explica o agrônomo, que acredita que há possibilidade de o cultivo seguir em crescimento na região.

Saiba mais sobre a legislação MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DA PADRONIZAÇÃO

Art. 1º -A cevada será classificada em grupos e tipos, segundo a finalidade e a qualidade.

DAS CLASSES

Art. 2º - Segundo o fim a que se destina a cevada será ordenada em duas classes:

1. apropriada para malteação ou cervejeira;

2. imprópria para malteação ou forrageira.

DOS TIPOS

Art. 3º A cevada apropriada para malteação ou cervejeira, segundo a sua qualidade será classificada em três tipos:

Tipo 1. constituído de grãos perfeitamente maduros, coloração amarelo-claro, aspecto e odor característicos, com poder germinativo igual ou superior a 96% (noventa e seis por cento), que fiquem retidos em peneiras de 2,5mm (dois milímetros e meio), no mínimo 80% (oitenta por cento).

Tolerância Máxima

13,5% de umidade,

3% de impurezas e/ou matérias estranhas,

0,5% de cevada negra,

1,00% de grãos avariados

6% de grãos que vazarem nas peneiras de 2,2mm de diâmetro.

Tipo 2. constituído de grãos sãos, maduros, coloração amarelo-claro, aspecto e odor característicos, com poder germinativo igual ou superior a 94% (noventa e quatro por cento), que fiquem retidos em peneiras de 2,5 mm (dois milímetros e meio) no mínimo 70% (setenta por cento).

Tolerância Máxima

13,5% de umidade,

4,00% de impurezas e/ou matérias estranhas,

1,00% de cevada negra, 2% de grãos avariados,

8% de grãos que vazarem em peneira de 2,2mm de diâmetro.

Tipo 3. constituído de grãos sãos, maduros, coloração amarela clara aspecto e odor característicos, com poder germinativo mínimo de 92% (noventa e dois por cento) que fiquem retidos em peneiras de 2,5 mm (dois milímetros e meio) no mínimo

50% (cinquenta por cento).

Tolerância Máxima

13,5% de umidade,

5% de impurezas e/ou matérias estranhas,

2% de cevada negra,

3% de grãos avariados

12% de grãos que vazarem em peneira de 2,2mm de diâmetro.

Confira nossa tabela completa de tecidos metálicos para peneiras

Fonte: Ministério Agricultura, pecuária e abastecimento Correio do Povo Wikipedia

#telapeneirainoxdavel #telapeneiração #telapeneiras #peneirainox #peneiragalvanizada #telapeneirainox #telapeneiragalvanizada #peneiracevada

Destaque
Posts Recentes
Arquivo

Rua Pres. Roosevelt, 1352 - Bairro São Miguel, São Leopoldo - RS 93025-640
Contatos:  51 3592-1352      51 98408-1352 WhatsApp

  • Grey Twitter Icon