• Telas Muller

Confira o estudo onde uma molécula em veneno de abelha destrói células de câncer de mama

Embora muitos de nós tenham experimentado encontros dolorosos com a extremidade pontuda de uma abelha, suas armas podem ser mais do que apenas um incômodo. Um novo estudo de laboratório mostra que uma molécula encontrada no veneno de abelha pode suprimir o crescimento de células cancerosas particularmente desagradáveis .


O estudo se concentrou em certos subtipos de câncer de mama, incluindo câncer de mama triplo-negativo (TNBC), que é uma condição extremamente agressiva com opções de tratamento limitadas.

O TNBC é responsável por até 15 por cento de todos os cânceres de mama. Em muitos casos, suas células produzem mais de uma molécula chamada EGFR do que as células normais. As tentativas anteriores de desenvolver tratamentos que visassem especificamente essa molécula não funcionaram, porque também afetariam negativamente as células saudáveis.

O veneno da abelha melífera ( Apis mellifera ) mostrou potencial em outras terapias médicas, como o tratamento de eczema , e é conhecido por ter propriedades antitumorais há algum tempo, incluindo o melanoma . Mas como ele funciona contra tumores em nível molecular não é totalmente compreendido. Agora, demos um grande passo em direção à resposta.

Na verdade, as abelhas usam a melitina - a molécula que compõe metade de seu veneno e torna suas picadas realmente doloridas - para lutar contra seus próprios patógenos. Os insetos produzem esse peptídeo não apenas em seu veneno, mas também em outros tecidos, onde é expresso em resposta a infecções.

Visando essa molécula poderosa, os pesquisadores submeteram células cancerosas cultivadas em laboratório e células normais ao veneno de abelha da Irlanda, Inglaterra e Austrália, e ao veneno de abelha ( Bombus terrestris ) da Inglaterra.

Confira aqui a matéria na integra

Rua Pres. Roosevelt, 1352 - Bairro São Miguel, São Leopoldo - RS 93025-640
Contatos:  51 3592-1352      51 98408-1352 WhatsApp

  • Grey Twitter Icon